28 Maio 2024

“The Fall Guy”: Ryan Gosling é um Amante e um (Dublê de) Lutador em Reboot Surpreendentemente Romântico da Série de Ação dos Anos 80

Co-estrelado com Emily Blunt, Gosling apresenta um de seus personagens mais atraentes até agora, misturando o herói de ação dedicado de “Drive” com o sedutor carismático de “Amor a Toda Prova”.

Em 99% dos filmes de Hollywood, o objetivo é tornar o trabalho de dublê invisível. O público deve acreditar que a estrela — ou melhor ainda, o personagem que ele interpreta — arriscou sua própria vida pulando de prédios, explodindo carros ou enfrentando esquadrões de bandidos. Em “The Fall Guy”, o dublê é o herói (de uma história insanamente complicada), enquanto a estrela é um prima donna que afirma fazer todas as suas próprias cenas de ação, mas precisa de seu dublê quando as coisas se complicam.

“The Fall Guy” é engraçado, é sexy, e apresenta a versão brinquedo de luxo do “Barbie”, Ryan Gosling — o que significa que, desta vez, ele incorpora a figura de ação definitiva. Este é o lado de Gosling que irradia carisma e que o público ama (ao contrário do Gosling inexpressivo de “Só Deus Perdoa”), e embora seu personagem não tenha muita profundidade, dificilmente se poderia desejar um elenco melhor.

Todo mundo sabe que os dublês são mais impressionantes do que as estrelas de cinema cujas façanhas mais difíceis eles realizam. É a razão pela qual Tom Cruise insiste em fazer suas próprias cenas de ação (ou pelo menos afirma fazer). Cliff Booth, o dublê aventureiro, é de longe a pessoa mais legal que Brad Pitt já interpretou. No papel de Colt Seavers — originalmente interpretado por Lee Majors no programa de televisão de Glen A. Larson no início dos anos 80 — Gosling consegue ter o melhor dos dois mundos.

Colt estabelece recordes no Guinness Book (mais notavelmente um rolamento de canhão louco em que o ás da direção Logan Holladay capota um SUV oito vezes e meia), e embora saibamos que Gosling apenas entrou para dar o sinal positivo quando a cena é concluída, de uma maneira elegante ele está realmente compartilhando o crédito com a equipe. Não apenas com os dublês, mas com todos que se esforçam para fazer um filme. Gosling parece gracioso e, no final do dia, ele ainda é quem conquista a garota.

A garota, neste caso, é Jody Moreno (Emily Blunt), diretora de um blockbuster de ficção científica multimilionário chamado “Metalstorm” — uma cinegrafista assumindo a direção pela primeira vez. Claramente, muita coisa mudou em Hollywood desde que a ABC exibiu “The Fall Guy” em 1981, e a versão para o cinema faz algo incrivelmente inteligente ao fazer da antiga paixão de Colt a chefe nesta produção específica. (Sua chefe também é uma mulher: a produtora implacável Gail Meyer, interpretada com um brio sem limites pela gerente de “Ted Lasso”, Hannah Waddingham.)

Vale notar: Em 1981, a lenda dos dublês Hal Needham dirigiu “The Cannonball Run”, o que significa que a transição de dublê para diretor não é novidade. O ex-especialista em dublês David Leitch está dirigindo longas-metragens há uma década, começando com “John Wick”. Com este projeto, o diretor tem uma oportunidade sem igual de homenagear sua profissão original. Nos últimos anos, telas azuis, efeitos digitais e o campo em rápida evolução da IA têm empurrado aqueles que realizam as façanhas no mundo real ainda mais para impressionar.